Connect with us

Entrevistas

Sérgio Zimba: a cara do cartoon moçambicano

Publicado

aos

“O mercado da ilustração existe porque há muitos ilustradores, mas há falta de união. Gostaria que ao longo dos anos, se criasse uma associação para que nos solidificamos e possamos defender-nos e valorizados como deve ser”– Sérgio Zimba

Sérgio Zimba é o nome do cartoonista mais respeitado ao nível de Moçambique pela adição ao seu trabalho do sentido cómico, humorístico com vista entreter ao mesmo tempo educar.

Nascido a 31 de Julho de 1963, no Hospital da Moamba, num cenário em que boa parte da população é analfabeta, viu na linguagem visual a forma fácil de garantir a inclusão da mensagem a passar.

Em conversa com a Xigubo, Zimba definiu o seu talento como algo nato “já desenhava na barriga da minha mãe”, e sem ter frequentado um curso de artes e comunicação, foi tudo aprendido durante as brincadeiras de infância onde fazia alguns esboços embora não compreendidos pelos demais.

Ao longo do tempo, sua vocação foi tornando-se mais evidente, de tal forma que seus colegas e professoras motivaram-no a continuar a desenhar, o que tornaria-se mais sério em 1976 embora ainda não se sentisse pronto para publicar.

Em 1990 resolveu partilhar com os seus trabalhos enviando para o Jornal Domingo, um dos seus cartoons, pelo facto do mesmo carregar um conteúdo militar, foi direcionado à Página do Militar (coluna dedicada a assuntos militares na época) coordenada pelo jornalista, já falecido, Orlando Muchanga que para além de ter gostado do trabalho, deu a oportunidade de trabalhar e alimentar a página. E desta, passou a fazer parte da Sociedade Notícias, mas afecto ao Jornal Domingo, onde passou a produzir conteúdos para Página do Militar e mais tarde sentiu a necessidade de “dar um carolho a sociedade” (termo usando por Sérgio Zimba, ao referir-se a intervenção social), onde criou vários cartoons que merecem a atenção de várias pessoas singulares e não só.

Dentro dum carro estacionado na paragem da liberdade em Maputo, próximo a uma pastelaria, Sérgio Zimba puxou em sua mente alguns momentos marcantes proporcionados pelo cartoon, caso da admiração prestada, ao seu trabalho, pelo antigo presidente da República de Moçambique Joaquim Chissano, e foi neste momento onde percebeu o alcance da sua arte e o medo das pessoas em serem retratadas; e da vez que conheceu o Jornalista Carlos Cardoso de onde sentiu a euforia do jornalista por conhecer o autor dos risos matinais.

Pelo seu talento e dedicação, em 1998 representou a literatura moçambicana no Festival Internacional da Juventude, em Portugal; em 2012 participou do Festival Nacional de Cultura. Foi considerado melhor cartunista em 2002 e 2003 num evento organizado pela companhia de Teatro Gungu e recentemente o seu esforço para educar e entreter a sociedade através dos seus cartoons foi reconhecido pelo Jornal Domingo, algo que Sérgio Zimba olha como um acto inexplicável de amor e carinho demonstrado pelo Jornal, e espera que outras empresas façam o mesmo com seus colaboradores de forma a motivar.

Nos últimos tempos, a ilustração gráfica tem ganho destaque no mercado nacional e, segundo Zimba, quando uma área cresce é preciso que exista união entre os fazedores, para que possam defender um ao outro ao que propõe a criação de uma associação de ilustradores de forma a desenhar-se estratégias para solidificação e posicionamento.

Carrega como sonho, que Moçambique tenha mais cartoonistas e que façam valer a arte, pois acredita que a comunicação visual é muito importante para o desenvolvimento das empresas jornalísticas e não só, pois é uma das formas de comunicar de forma rápida.

Para além da apresentação dos seus trabalhos em revistas e jornais, Sérgio é um dos cartoonistas mais lidos em Moçambique e tem 8 livros publicados nomeadamente, “Riso Pela Paz” (1993), “Lágrimas do Riso” (1995), “Manfenha” (1999), “Declaração Nacional dos Direitos Humanos” (2005), “Ri Amor” (2006), “Introdução ao Metical da Nova Família” (2007) e em 2011 “As Camisinhas”.

E com vista dar continuidade a trajetória, brevemente, mais dois livros serão apresentados ao público e abordam as peripécias vividas em tempos de Covid-19 e Malária, e garante que não fugirão a sua essência: mistura da língua portuguesa com línguas Bantu, crítica social e o lado humorístico.

Entrevistas

Havéra confronto verbal entre Trovoada e Epaitxoss? CEO do Rapódromo responde

Publicado

aos

Trovoada e Epaitxoss a batalha

Depois das alegações de Trovoada no Show do Fred, não existe algo que mais se pede na internet que não seja um combate directo entre os gladiadores.

Para melhor esclarecer o assunto junto da organização do maior evento de batalhas de verbais, RAPÓDROMO, que é onde surgiu o problema que leva Trovoada e Epaitxoss a desenvolverem uma certa rivalidade, conversamos com Allan, um dos responsáveis.

Segundo informou a nossa fonte em palavras curtas, actualmente a organização pretende focar apenas na temporada 2024, dando a entender que não há disponibilidade para organizar uma batalha somente para resolver esse problema.

Mas existe a possibilidade dos dois participarem das selecções e por ventura cruzarem-se no evento é assim tudo ficar resolvido.

Continuar a ler

Entrevistas

Denilson LA prepara lançamento de “Casa Azul”

Publicado

aos

Denilson LA CASA AZUL

O músico moçambicano Denilson LA lançará no dia 24 deste mês mais um trabalho discográfico, intitulado “Casa Azul” no Hey Jo Tacos, seu segundo álbum depois de “Último dia de Inverno”. Neste trabalho, o músico, promete abrir-se com ao público como nunca fez.  

A ideia de baptizar o álbum com esse nome remete à casa de seu produtor Badjo, onde ele e outros artistas costumam reunir-se para trocar ideias sobre arte e gravar suas composições. Segundo Denilson, quando estão lá, a casa é ambientada com luzes azuis que lhe trazem o espírito de querer expressar seus sentimentos. Para si, o azul é uma cor de vulnerabilidade, felicidade e energias positivas, daí sua preferência por ela, às vezes também associada à tristeza, dependendo do contexto, porem tudo mexe com seus sentimentos.

Assim, a escolha do nome para o álbum não foi aleatória, e suas músicas seguiram o mesmo pensamento. Denilson considera o álbum seu diário, com foco na casa de Badjo, onde conversava com amigos e conhecia novas pessoas, tanto em momentos tristes quanto felizes.

Comparando com seu álbum anterior, apesar de ter trabalhado no mesmo estúdio, a diferença reside no facto de que as músicas não foram programadas para fazer parte deste projecto, ao contrário de “Último Dia de Inverno”, onde sabia que estava a gravar um projecto, mas ainda não tinha um nome para ele.

Como forma de tornar as músicas mais originais e tocantes, resolveu trabalhar com instrumentistas que o acompanham em seus shows. A gravação de todas as músicas levou 2 anos, fluindo naturalmente. A ideia de trazer os instrumentistas foi algo muito diferente para si. O álbum cont atambem com a participação de Bangla 10, que vem de um mundo musical diferente do seu.

A colaboração com Bangla surgiu depois que este o convidou para colaborar em uma de suas músicas. Assim, conseguiram conhecer-se como pessoas, não apenas como músicos, e identificaram-se um com o outro. Além de Bangla, Hernani da Silva e Nicko Journey fazem parte deste trabalho.

https://open.spotify.com/album/53GzRQbFWik8IBXSWYWsg1

O álbum é composto por ritmos musicais africanos misturados com R&B. Em algumas músicas, fez-se coisas novas para criar uma identidade única. Todas as letras contam histórias de amor, vivências, ambições e histórias sobre si para os outros, na expectativa de que alguém se identifique com sua música e seja impactado da melhor forma possível.

Durante o processo de produção dessas músicas, algo interessante aconteceu, seu produtor chegou a emocionar-se com algumas delas enquanto gravavam, o que o fez perceber que caminhava pelo lugar certo, uma vez que notou que suas histórias eram as do outros, algo que ajudou a solidificar a amizade entre eles, uma vez que também passam pelas mesmas situações.

Embora um bom pai não tenha um filho favorito, a primeira música deste álbum tem um grande significado para Denilson. “Quem Sou Eu” traz consigo uma reflexão sobre o amor e ódio que tem pela música. Apesar de ser satisfatório receber muito apoio e admiração pelo que faz, o dinheiro que consegue ainda não é suficiente para estabelecer-se completamente.

Última música lançada antes do álbum

Assim, reflecte sobre as consequências de fazer música e todos os dilemas envolvidos. A inclusão desta música não foi aleatória. Denilson acredita que antes de contar suas histórias, precisa introduzir a todos sobre quem realmente é.

Com este álbum, espera recuperar o investimento feito e pagar aos investidores que acreditaram nele, uma vez que não tinha fundos para custear todas as despesas. Um facto curioso sobre essas músicas é que 30% delas foram criadas para serem vendidas, porém isso não aconteceu, pois seus amigos não permitiram, dai que acredita que elas ganharem mais visibilidade, será algo interessante de se observar.

Antes do lançamento deste álbum, Denilson, estará no 16 Neto as 16 horas do dia 10 de Fevereiro, para uma sessão de escuta do álbum.

Continuar a ler

Entrevistas

Depois de alcançar um milhão de visualizações no YouTube, Lukie prepara álbum 

Publicado

aos

Lukie

O ano acaba de começar e as expectativas tendem a estar em alta, algo que nao é diferente para a cantora moçambicana Lukie, que no ano passado (2023) lançou o audiovisual “Vão Falar”, ao lado de Idrisse ID, que se tornou num sucesso a ser a música mais pedida na Super Fm por duas semanas consecutivas e alcançado a marca de 1 milhão de visualizações no Youtube. 

Em conversa, Lukie revelou detalhes sobre suas conquistas em 2023 e os planos para 2024. Falando sobre “Vão Falar“, a cantora expressou sua gratidão por ter alcançado um número que sempre almeja, e para si, isso significa que entregou ao mundo, aquilo que precisava e na melhor qualidade, e descreve os sentimento que carrega como honra por representar a cultura e a música moçambicana de maneira tão positiva.

Foi uma conquista incrível e muito gratificante“, afirmou Lukie, demonstrando entusiasmo e determinação para buscar mais sucessos no futuro.

Olhando para o horizonte de 2024, Lukie prometeu aos fãs uma nova fase: mais forte e determinada do que nunca. “Preparem-se para uma nova Lukie, com novas músicas e até mesmo o lançamento do meu álbum”, declarou, embora detalhes sobre o álbum e as músicas que estão por vir ainda sejam um segredo.

Além de seus planos musicais, Lukie falou das suas fontes de inspiração para suas composições, destacando sua mãe como sua maior musa, e para que suas músicas transmitam sentimentos profundos, olha para a sociedade e faz criações que espalham amor, buscando impactar positivamente.

Para quem escuta as músicas de Lukie, sabe que o Emakhuwa, uma das línguas moçambicanas faladas em Cabo Delgado, é predominante em seus trabalhos. Na visão de Lukie, cantar dessa forma reforça seu compromisso em representar a diversidade linguística de Moçambique por meio de sua música.

Outras entrevistas:

Com um olhar optimista para o futuro e uma determinação inabalável em elevar a música moçambicana, Lukie se prepara para fazer de 2024 um ano marcante em sua carreira, prometendo levar adiante sua paixão pela música e sua conexão com a cultura local.

Continuar a ler