Connect with us

Cultura

Paulina Chiziane recebe Prémio Camões e defende descolonização da língua portuguesa

Publicado

aos

A escritora moçambicana Paulina Chiziane, no dia 5 de Maio do ano em curso, o Prémio Camões 2021, considerado o mais importante prémio literário de língua portuguesa.

Em seu discurso, Paulina Chiziane destacou a importância da descolonização da língua portuguesa, argumentando que a língua precisa ser tratada e limpa para ser de todos os povos que a falam, e citou exemplos de definições preconceituosas que encontrou nos dicionários.

Segundo Chiziane, a definição de catinga como “cheiro nauseabundo característico da raça negra” é um exemplo do preconceito que ainda existe na língua portuguesa. A escritora, também criticou a definição de matriarcado como “costume tribal africano”, que é apresentado em contraposição com patriarcado, que é definido como “tradição heroica dos patriarcas”.

Chiziane afirmou que, em Moçambique, existe o matriarcado, principalmente na região norte do país, e que essa tradição é desvalorizada na língua portuguesa. Para ela, essa desvalorização é uma forma de machismo.

A escritora também citou a palavra palhota, que é definida como “habitação rústica característica dos negros”. Ela argumentou que essa definição é preconceituosa e que a palhota é uma habitação ecológica, e não um sinal de atraso ou falta de desenvolvimento.

Ao defender a descolonização da língua portuguesa, Paulina Chiziane ressaltou a importância de valorizar as culturas e as tradições dos povos que falam essa língua. Ela destacou que é preciso mudar a forma como a língua é apresentada nos dicionários e nos livros, para que ela possa ser realmente inclusiva e acolhedora.

Paulina Chiziane encerrou seu discurso agradecendo aos seus leitores em Moçambique e em todos os países de língua portuguesa. Ela se disse “muito feliz” por receber o Prémio Camões e por ter a oportunidade de falar sobre um tema tão importante para a literatura e para a cultura dos países de língua portuguesa.

Paulina, foi a primeira mulher a publicar um romance no país e, a primeira africana a ganhar o Prémio Camões (que dedicou às mulheres em especial africanas) e, é, também reconhecida pelas famosas obras literárias como Niketche, Sétimo Juramento, Balada de Amor ao vento.

Importa referir que no ano passado, foi autorgada o título de Doutora Honoris Causa pela Universidade Pedagógica de Maputo (UP), em reconhecimento, valorização e premiação das actividades de pesquisa, produção e publicação literária, cultural e antropológica, que a escritora vem desenvolvendo.

Continuar a ler

Cultura

ProPaz organiza segundo Roadshow pela Paz e Reconciliação em Tete

Publicado

aos

Por

A Associação IVERCA organiza, na Cidade de Moatize, província de Tete, o segundo Roadshow pela Paz e Reconciliação. A iniciativa – agendada para os dias 17 e 18 de Maio corrente – resulta de uma parceria entre a IVERCA e o Comité Internacional de Desenvolvimento dos Povos (CISP), no âmbito do projecto ProPaz: Cultura para a Promoção da Paz, Reconciliação e Coesão Social, com o co-financiamento da União Europeia.

O evento engloba um leque de iniciativas culturais desenhadas com o objectivo de produzir e propagar mensagens apelativas à promoção da paz, reconciliação e participação activa de grupos vulneráveis nas comunidades mais afectadas por conflitos armados nas províncias de Tete, Manica e Sofala.

Depois de Chimoio e Gondola (província de Manica), o Roadshow pela Paz e Reconciliação escala a província de Tete, onde arranca com a realização de um Workshop sobre a construção e modernização de instrumentos tradicionais, com atenção especial para a Mbira, como um instrumento musical de origens fortemente ligadas à província de Tete, previsto para Sexta-feira, 17 de Maio, a partir das 10 horas, no Monumento Samora Machel (em Tete).

Outras notícias:


Já, na cidade Moatize, está agendada a realização de um mega-concerto no dia 18 de Maio, a partir das 15 horas, na Praça Junto ao Caminhos de Ferro. O espectáculo conta com um repertório mais de 20 artistas, tais como Kaliza, Mr Nhungue, Djaaka, Suraia Eduardo , Rosa de África, May Mbira, Good Boy, entre outros, e contempla, igualmente, uma feira de gastronomia e do cidadão aberta para o público para a emissão de documentos como BI’s e Nuit.

Ambas actividades privilegiam a interação entre vozes locais (Moatize) e nacionais (cidade e província de Tete, Sofala e Maputo), como forma de produzir um manifesto sobre a Paz e Reconciliação de dimensão nacional, a partir de iniciativas culturais.

Continuar a ler

Cultura

Paulina Chiziane recebe prémio da FORBES em Angola

Publicado

aos

Recentemente a escritora e activista social moçambicana, Paulina Chiziane, recebeu o Prémio Individualidade Responsabilidade Social dos Prémios Forbes 2024, em Luanda, Angola. 

A distinção reconhece seu papel vital na luta pelos direitos da mulher africana, destacando-a como uma voz proeminente na lusofonia.

Assista aqui

A autora, conhecida por sua escrita perspicaz e activismo incansável, tem sido uma defensora da igualdade de gênero e da justiça social em todo o continente.

Em seu discurso de aceitação, Chiziane desafiou o paradigma econômico actual, destacando o papel crucial das vendedoras informais na construção e sustentação da economia africana. Ela instou por uma conscientização histórica e um respeito renovado pelas raízes africanas, enfatizando a necessidade de uma abordagem libertadora para o desenvolvimento do continente.

Continuar a ler

Cultura

Camões libera 50 Passos para a liberdade da ditadura

Publicado

aos

Por: Milton Herminio

O Centro Cultural Português Camões, em Maputo, inaugurou na segunda-feira (1) a exposição “50 Passos para a Liberdade: Da Ditadura ao 25 de Abril”.

Esta exposição visa evocar a viragem histórica representada pelo 25 de Abril, celebrando a conquista da liberdade e a construção da democracia, ao mesmo tempo em que oferece uma visão do passado e perspectivas para o futuro.

A Comissão Comemorativa dos 50 Anos do 25 de Abril divulgou a história do 25 de Abril entre os jovens, selecionando 50 eventos relevantes do período que vai desde a posse do último presidente do Conselho de Estado, Marcelo Caetano, até à publicação da Lei 7/74, em 27 de julho.

Óscar Monteiro, que foi adjunto de Marcelino na área do ensino, comentou: “Não me cabe fazer estas análises sobre a situação portuguesa”. A primeira notícia que ouvimos na Rádio França Internacional foi sobre “o golpe de Estado em Portugal, desta vez é sério”.

Continuar a ler