Connect with us

Cultura

Moçambicanos conquistam primeira posição com pintura automotiva na África do Sul

Publicado

aos

Alberto Correia Brown

Alberto Correia, Paulo Jorge, Luwi Stance, Scuarapo e Guezani, inspirados por Malangatana, pintaram um carro que foi merecedor do primeiro lugar no concurso Hotride German X Japan, organizado pela Southside Crew em Johanesburgo, África do Sul.

O destaque do grupo foi a pintura de um automóvel, realizada em apenas 24 horas. Alberto Correia, segundo escreve o jornal O País, sempre teve o desejo de pintar um carro, mas faltava encontrar alguém com coragem para ceder o veículo. 

“Assim como o músico Gilson Jamal propôs pintar um saxofone, eu esperava que alguém viesse com a mesma coragem para pintar um carro. Embora este não seja o primeiro carro personalizado em Moçambique, como já fez Malangatana, queríamos mostrar que é possível transmitir energias e sensações através de automóveis”, disse Correia.

O projeto foi desafiador devido ao tempo limitado, mas também inspirador, segundo Correia. “Gazane, o dono do carro, me convidou para me juntar à equipe do Tunning Vibes, para criarmos algo nunca visto antes em competições desse tipo. Trabalhamos por 24 horas seguidas para alcançar um resultado fantástico.”

Após a conclusão, o carro foi levado à África do Sul para uma exposição de carros modificados e artisticamente preparados. “Nos destacamos e ganhamos o primeiro lugar por trazer uma ideia super inovadora e diferente, sendo o único carro pintado à mão no concurso”, contou Correia.

Continuar a ler

Cultura

Mia Couto vence Grande Prémio de Conto Branquinho da Fonseca

Publicado

aos

Por

O escritor moçambicano Mia Couto foi distinguido por unanimidade com o Grande Prémio de Conto Branquinho da Fonseca da Associação Portuguesa de Escritores (APE) pelo livro «Compêndio para desenterrar nuvens», publicado em 2023. O anúncio foi feito esta terça-feira pela Associação Portuguesa de Escritores.

O livro «Compêndio para desenterrar nuvens» é constituída por 22 histórias que abordam vidas um povo resiliente, um olhar a um país através das suas gentes mais humildes, mas que fazem do seu dia-a-dia constantes momentos de superação. A guerra, a fome, as desigualdades e ainda a realidade das mulheres nesse contexto.

Um livro cuja linha que coze as estórias procura “devolver a dignidade a quem não espera ajuda, a quem não precisa de ser salvo, porque salva-se a si próprio, todos os dias”, nas palavras de Mia Couto.

O júri, constituído por Fernando Batista, Mário Avelar e Paula Mendes Coelho, destacou, sobre a obra, a forma como Mia Couto, “misturando sabiamente o código realista e o código imaginário sem nunca esquecer o registo lírico, continua a denunciar as injustiças de onde quer que elas venham, sem deixar de nos alertar, ainda que em tom geralmente irónico, para novas submissões, novas ameaças bem perniciosas”. 

A obra é distinguida em Portugal onde foi editada pela Caminho. Em Moçambique o livro foi publicado pela Fundação Fernando Leite Couto.

O Grande Prémio de Conto Branquinho da Fonseca, instituído em 2023 pela Associação Portuguesa de Escritores, e patrocinado pela Câmara Municipal de Cascais e Fundação D. Luís I, destina-se a galardoar anualmente uma obra de contos em português.

Continuar a ler

Cultura

Fredy Uamusse homenageia Malangatana 

Publicado

aos

O retratista moçambicano Fredy Uamusse prestou homenagem ao icônico pintor plástico Malangatana, falecido em 2011. Em um tributo, Fredy utilizou sua técnica distintiva de desenhar com carvão no chão, uma forma de arte que ele tem popularizado e que ganhou destaque entre outros artistas contemporâneos.

A obra não só celebra o legado de Malangatana, mas também ressalta a habilidade e a inovação de Fredy na utilização de carvão, conferindo uma nova dimensão à arte moçambicana.

Fredy Uamusse é um jovem artista moçambicano, que conquistou reconhecimento no mundo artístico com seu domínio do lápis e papel, eternizando figuras importantes da área cultural, entretenimento, pátria e até algumas que marcaram Moçambique por conta dos seus feitos motivacionais.

Sua paixão pelo desenho, confundi-se com a estória da sua vida, ou até com seu DNA.

Continuar a ler

Cultura

Artista plástica moçambicana Fauziya Fliege entra nas colecções dos museus da América Latina

Publicado

aos

Por

Depois de uma intensa temporada de exposições na Costa Rica, as obras da artista moçambicana Fauziya Fliege vão fazer parte das colecções dos melhores museus da América Latina, a começar pelo Museu de Cartago (Costa Rica), o Museu de Afrodescendente de Nicaragua e o Museu de Paraguai.

Tanto no Museu de Cartago como no Museu de Afrodescendente, as obras de Fliege serão recebidas por entidades locais, em cerimónias públicas que contarão com outras personalidades de relevo em diplomacia cultural. Já a entrega da obra ao Museu de Paraguai, esta terça-feira (9), Fliege não estará presente, deixando essa oportunidade para momento oportuno.

Fauziya Fliege estampa, assim, nos três museus, a herança africana, aliás, uma temática predominante na sua criação. A primeira obra, para o Museu de Cartago, ilustra uma mulher com um balde na cabeça, uma caracterização do esforço diário da mulher africana para o sustento do seu lar. A segunda obra, enviada para Nicaragua, fala da dança africana que, mais do que para entretenimento e recriação, a dança é usada para actos de exorcismos, em cerimónias tradicionais de libertação dos maus espíritos e pretexto para o encontro da paz interior.

“Como artista africana, é uma honra por ser, possivelmente, a única artista moçambicana e africana, para além de feminina, a expor num museu na Costa Rica, sendo uma honra”, destaca Fliege, acrescentando que “não me quero focar apenas na venda de obras, mas também em fazer a minha história, divulgando a nossa cultura, mostrando um pouco de nós, do continente e, claro, do orgulho que tenho do meu país, mas eu também quero que as pessoas tenham conhecimento que eu como artista moçambicana quero mostrar muito da minha cultura.”

Com passagens em vários países africanos, Fliege destaca a necessidade de transportar para as telas vivências e histórias de África e mostrar ao mundo a rica cultura africana. “O facto de alguém ir a uma exposição num desses museus e encontrar obra de uma artista africana e especialmente de Moçambique será um orgulho para o país e para todo o continente”, sublinha.

Fuziya Fliege (já) é uma artista reconhecida na Costa Rica, não só pela sua criação estética, mas também pela sua mão solidária, tendo doado as suas obras para várias organizações naquele país onde se encontra radicada, bem como pela sua participação em iniciativas sociais.

Continuar a ler