Connect with us

Cultura

Mélio Tinga e Eduardo Quive discutem guerra e violência através de “Mutiladas” e “Névoa na Sala”

Publicado

aos

Mélio Tinga e Eduardo Quive

Foi na noite de quarta-feira, 15 de Maio, pelas 18h, que os amantes da literatura e o público em geral, testemunhou, no Centro Cultural Franco Moçambicano (CCFM), em Maputo, o lançamento de duas obras literárias intituladas “Mutiladas” e “Névoa na Sala” dos escritores Mélio Tinga e Eduardo Quive, sob a chancela da Catalogus. 


Diga-se que, foi um evento envolvente e comovente, pela sensibilidade que carrega a dura realidade do dia-a-dia dos Moçambicanos desde à violência aos traumas de guerra oriundos de Cabo Delgado.

Em Mutiladas, Eduardo Quive, explora com profundidade a realidade das mulheres violentadas diariamente, a vida em geral e o exercício das suas memórias em cada cenário/episódio que vivencia no seu quotidiano. Em suma é através desta que, busca em forma de arte narrar vivências de moçambicanos e convidá-los a reflectir sobre o hoje e o amanhã.

“A alegria de escrever este livro é de pensar no dia-a-dia dos moçambicanos, a questão da violência doméstica, numa perspectiva global, desde a sociedade, instituições como por exemplo uma mulher entra no hospital de alsa e não pode ser atendida, como é que as crianças nas escolas estão a ser formadas agora, sendo a escola um espaço não seguro, tranquilo como é que as crianças que vivenciam essa violência vão ser adultos do amanhã”,

declarou Quive.

O Livro “Mutiladas” não é só mais um simples lançamento, como também constitui mais um passo para o autor, pois, é seu primeiro livro de estreia em “contos”, distanciando-se, assim do verso, seu género característico.


“Esta mudança procura nova abordagem porque na verdade, as histórias que eu queria contar, era preciso lhes dar maior dimensão um espaço que a poesia geralmente não dá, mas também era preciso chamar personagens pelos nomes e falar destas vidas, e sobretudo as mulheres que sofreram seus traumas, a violência.

É preciso chamar essas vítimas pelos nomes, o que muita das vezes não acontece, são simplesmente chamadas por vítimas. Nessas histórias quis aventurar na narrativa e colocar essas personagens que são o quotidiano do dia-a-dia das pessoas e muito provavelmente provocar uma reflexão na sociedade moçambicana”.
 
Enquanto Quive explora a violência quotidiana em diferentes vectores sociais (educação, saúde, instituições publicas etc), Mélio Tinga, explora a guerra na zona nortenha do país, Cabo Delgado, através da “Névoa na Sala”.

“Este livro é actual no sentido que explora o efeito da guerra que cria nas pessoas, nesse sentido acho que é preciso um paralelismo entre o que acontece em Moçambique e, outros países sobre o terrorismo. Essencialmente explora o que está guerra causa no interior das pessoas no aspecto psicológico”.

Com esta, Tinga, convida a todos moçambicanos a refletirem sobre os transtornos que uma guerra pode causar para a população. O autor reitera também maior urgência a necessidade de reconstrução dos homens após guerra, visto que constituem agenda primária, a recomposição de grandes cidades e intra-esturras e, assim deixando-se os homens à sua sorte sem devido acompanhamento.

“O livro chama atenção de todos nós. O que poderíamos fazer depois desse período pós guerra e de reconstrução. Depois desse período, não só precisamos de reconstruir as cidades e vilas, como também precisamos de reconstruir o ser humano, cuidar da questão psicológica dessas pessoas, cuidar traumas pós guerras dessas pessoas que muitas das vezes terminada a guerra continuam com feridas enormes e ninguém presta atenção nisso” disse o autor.

 A junção dos autores para o efeito (lançamento), surge , segundo eles, para interpretar o evento como momento de partilhas e afetos, onde o colectivo, domina o individualismo.

Continuar a ler

Cultura

Mia Couto vence Grande Prémio de Conto Branquinho da Fonseca

Publicado

aos

Por

O escritor moçambicano Mia Couto foi distinguido por unanimidade com o Grande Prémio de Conto Branquinho da Fonseca da Associação Portuguesa de Escritores (APE) pelo livro «Compêndio para desenterrar nuvens», publicado em 2023. O anúncio foi feito esta terça-feira pela Associação Portuguesa de Escritores.

O livro «Compêndio para desenterrar nuvens» é constituída por 22 histórias que abordam vidas um povo resiliente, um olhar a um país através das suas gentes mais humildes, mas que fazem do seu dia-a-dia constantes momentos de superação. A guerra, a fome, as desigualdades e ainda a realidade das mulheres nesse contexto.

Um livro cuja linha que coze as estórias procura “devolver a dignidade a quem não espera ajuda, a quem não precisa de ser salvo, porque salva-se a si próprio, todos os dias”, nas palavras de Mia Couto.

O júri, constituído por Fernando Batista, Mário Avelar e Paula Mendes Coelho, destacou, sobre a obra, a forma como Mia Couto, “misturando sabiamente o código realista e o código imaginário sem nunca esquecer o registo lírico, continua a denunciar as injustiças de onde quer que elas venham, sem deixar de nos alertar, ainda que em tom geralmente irónico, para novas submissões, novas ameaças bem perniciosas”. 

A obra é distinguida em Portugal onde foi editada pela Caminho. Em Moçambique o livro foi publicado pela Fundação Fernando Leite Couto.

O Grande Prémio de Conto Branquinho da Fonseca, instituído em 2023 pela Associação Portuguesa de Escritores, e patrocinado pela Câmara Municipal de Cascais e Fundação D. Luís I, destina-se a galardoar anualmente uma obra de contos em português.

Continuar a ler

Cultura

Fredy Uamusse homenageia Malangatana 

Publicado

aos

O retratista moçambicano Fredy Uamusse prestou homenagem ao icônico pintor plástico Malangatana, falecido em 2011. Em um tributo, Fredy utilizou sua técnica distintiva de desenhar com carvão no chão, uma forma de arte que ele tem popularizado e que ganhou destaque entre outros artistas contemporâneos.

A obra não só celebra o legado de Malangatana, mas também ressalta a habilidade e a inovação de Fredy na utilização de carvão, conferindo uma nova dimensão à arte moçambicana.

Fredy Uamusse é um jovem artista moçambicano, que conquistou reconhecimento no mundo artístico com seu domínio do lápis e papel, eternizando figuras importantes da área cultural, entretenimento, pátria e até algumas que marcaram Moçambique por conta dos seus feitos motivacionais.

Sua paixão pelo desenho, confundi-se com a estória da sua vida, ou até com seu DNA.

Continuar a ler

Cultura

Moçambicanos conquistam primeira posição com pintura automotiva na África do Sul

Publicado

aos

Por

Alberto Correia Brown

Alberto Correia, Paulo Jorge, Luwi Stance, Scuarapo e Guezani, inspirados por Malangatana, pintaram um carro que foi merecedor do primeiro lugar no concurso Hotride German X Japan, organizado pela Southside Crew em Johanesburgo, África do Sul.

O destaque do grupo foi a pintura de um automóvel, realizada em apenas 24 horas. Alberto Correia, segundo escreve o jornal O País, sempre teve o desejo de pintar um carro, mas faltava encontrar alguém com coragem para ceder o veículo. 

“Assim como o músico Gilson Jamal propôs pintar um saxofone, eu esperava que alguém viesse com a mesma coragem para pintar um carro. Embora este não seja o primeiro carro personalizado em Moçambique, como já fez Malangatana, queríamos mostrar que é possível transmitir energias e sensações através de automóveis”, disse Correia.

O projeto foi desafiador devido ao tempo limitado, mas também inspirador, segundo Correia. “Gazane, o dono do carro, me convidou para me juntar à equipe do Tunning Vibes, para criarmos algo nunca visto antes em competições desse tipo. Trabalhamos por 24 horas seguidas para alcançar um resultado fantástico.”

Após a conclusão, o carro foi levado à África do Sul para uma exposição de carros modificados e artisticamente preparados. “Nos destacamos e ganhamos o primeiro lugar por trazer uma ideia super inovadora e diferente, sendo o único carro pintado à mão no concurso”, contou Correia.

Continuar a ler