Connect with us

Fast Food

Lorna Zita e Nelson Faquirá orgulhosos com o resultado da série “Ex-Amicíssimas”

Publicado

aos

Desde o mês de Maio está no ‘ar’ mais uma produção televisiva nacional. Trata-se de ‘Ex-Amicíssimas’, série que aborda a complexidade da relação de amizade entre mulheres, com um tom dramático, misterioso e de muitas aventuras.

“Não foi um processo fácil”, começou por dizer Lorna Zita, sem esconder o seu sentimento de gratidão ao comentar sobre as peripécias na produção da série ‘Ex-Amicíssimas’, vencedora da sessão pública de apresentação de conteúdos televisivos, em Setembro do ano passado, a primeira a acontecer no país. Para Lorna, mentora deste projecto, é um orgulho saber que, finalmente, a sua história já está nas telas e espera que os telespectadores se deliciem do que vão ver.

“É uma história envolvente, que vem ensinar como é a amizade das mulheres e ajudar”, porque não, “aos homens a entender como funciona a mente feminina”, partilha Lorna, acrescentando que as pessoas vão se surpreender com muitas revira-voltas, traições e muito amor, acima de tudo.

Esta proposta foi escolhida entre 65 candidaturas, das quais seis chegaram a final, num processo que durou aproximadamente dois meses e que culminou em dois dias de sessões públicas de pitching na presença de júri, composto por cinco profissionais do sector de televisão e audiovisual.

“Antes de eu pisar naquele palco tinha um propósito, por isso, já sabia que possivelmente seria uma das vencedoras. Uma das estratégias que usei foi conhecer os meus concorrentes e, assim, preparei-me 10 vezes mais”, recorda Lorna e sendo ela ‘filha’ dos palcos do slam foi mais fácil envolver e cativar o júri e o público.

Depois que a proposta foi aprovada, a equipa de criativos que se apelida ‘Afrocinemakers’ arregaçou as mangas e colocou todo o seu potencial para criar uma história única, capaz de cativar os telespectadores sedentos de produções com marcas locais, justificando, também, a oportunidade que a sessão de pitching lhes pôde transmitir, num mercado onde os criativos estão ‘à sua sorte’.

Foi necessário, antes, encontrar profissionais competentes e com paixão para que este projecto surtisse efeito. Aliás, este é o desiderato que move os Afrocinemakers. O primeiro grupo a entrar em acção foi o de roteiristas, que levaram mais de um mês a adaptar a história de Lorna em guião para televisão.

A segunda fase, conta Nelson Faquirá, o produtor forjado no programa MultiChoice Talent Factory (MTF), teve duas sessões de casting, uma on-line e outra presencial, “onde tivemos o prazer de seleccionar figuras conhecidas como Nelson Nhanchungue (Tony Ramos) e King Levi (Doutor Rui), entre outras”, conta Faquirá sobre a procura de actores que pudessem dar uma abordagem nacional ao seriado.

A terceira fase foi a de rodagem, onde, igualmente, tinham que ser profissionais com paixão, para além de competentes. A pós-produção, a última fase, foi a harmonização do produto final, cruzando o que foi escrito e o que efectivamente foi filmado.

De acordo com Faquirá, o processo de selecção das cinco ‘Ex-Amicíssimas’ também teve os seus desafios pelas características apresentadas, explica, “e entre 600 participantes do casting foi complicado encontrar o papel da Faira, por exemplo, porque estávamos à procura de uma menina mista e desastrada, por conveniência da história, e, das 20 desse perfil, foi complicado encontrar a ideal”, mas, no final do dia, retribuiu positivamente.

Para além da difícil missão de encontrar pessoas que se ajustassem aos papéis criados, Nelson Faquirá partilhou que o desafio que se seguiu foi ajustar o calendário das rodagens devido às suas agendas diárias, para além de encontrar algumas locações.

Ainda assim, o produtor não tem dúvida da qualidade internacional que a série carrega, em todos os sentidos. “A luz, câmara, som, actuação, adereços, vestuário, make up, entre outros, estão mais próximos de padrões internacionais”, secunda.

‘Ex-Amicíssimas’ conta com 13 episódios, de 25 minutos cada, e é da criaçao de Lorna Zita, com o guião de Elton Pila, Gil d’oliveira Nota, Ivo Mabjaia, Lorna Zita, Jarcia Muando, JJ Nota e Silvino Ubisse; realização de Ivo Mabjaia, Gil Nota e JJ Nota e a produção de Nelson Faquirá.

Frise-se que Afrocinemakers é a mesma produtora do ‘Kuga Munu’, série moçambicana que descreve crenças e práticas africanas.

Continuar a ler

Fast Food

El Francés chama Twenty para lhe ajudar a pedir lulas

Publicado

aos

No dia de hoje, o músico moçambicano El Francés lançou seu mais recente single “Me dá da da” em parceria com Twenty Fingers.

Disponível no canal do YouTube de El Francés, o vídeo da música já está a encantar os fãs com seu vídeo. Intitulada “Me dá da da”, a música não apenas cativa os ouvidos com sua batida de kizomba, mas também apela aos olhos com um uso da natureza e cores vivas, sem perder a elegância.

Com préstimos visuais de Cr Boy, o vídeo narra a história de um homem que pede o amor mais profundo e íntimo de uma mulher, em um estilo típico dos cantores.

Continuar a ler

Fast Food

Dygo rende-se ao talento de Percella e Kheid Naldo

Publicado

aos

Hoje, o rapper moçambicano Dygo Boy, rendeu-se a música “Do Lado (Tu La Tu)”, pertencente a Kheida Naldo e Percella.

Através de sua página oficial no Facebook, Dygo compartilhou o hit com seus seguidores, descrevendo-o como um “banger”.

O elogio caiu bem aos fãs dessas artistas que alegraram-se pelo reconhecimento vindo de Dygo.

Continuar a ler

Fast Food

Nelson Nhachungue: “Venho da melhor escola dos Best Rappers”

Publicado

aos

Nelson Nhachungue

Nelson Nhachungue é uma das figuras que se juntaram recentemente a Dice para a gravação da música Volvo, na qual fez uma homenagem a Track Records, reconhecendo-a como a melhor escola dos Best Rappers.

Assim como Júlia Duarte, Nhachungue adoptou por uma participação fora do habitual, saindo da sua zona de conforto para o Rap, aliás, esta não é a primeira vez que o músico demonstra as suas habilidades naquele género.

Já assim o tinha feito com proeza na música “Dizer não”, produzida por G2, referente ao seu primeiro álbum, intitulado Histórias de 918.

Sobre a sua participação na música “Volvo”, importa destacar um trocadilho interessante sobre a sua esposa, Neyma Nacimo: “Nunca paguei para sexo, espalhem a notícia. Garato de programa, só se for topíssima”.

A música já está disponível em todas plataformas digitais e conta também com a participação de DJ Bavy, Júlia Duarte e Djimeta.

Continuar a ler