Connect with us

Opinião

Gala-Gala Edições revela textos selecionados para a “Antologia de Contos Eróticos em Moçambique”

Publicado

aos

Gala-Gala Edições revela textos selecionados para a “Antologia de Contos Eróticos em Moçambique”

A Gala-Gala Edições, uma das principais editoras de Moçambique, revelou recentemente os 10 contos selecionados para sua antologia de contos eróticos. A iniciativa, que ocorreu entre 6 de Dezembro de 2022 a 9 de Fevereiro de 2023, atraiu um grande número de escritores ansiosos para participar deste projeto audacioso.

A equipe da Gala-Gala avaliou criteriosamente as 22 submissões recebidas com base em quatro indicadores essenciais: observância do regulamento, criatividade, construção narrativa e domínio da linguagem, onde cerca de 70% das histórias foram desclassificadas por não cumprirem as diretrizes estabelecidas, como a formatação em Times New Roman e o limite de 10 páginas.

Atraves de um comuicado ans suas redes sociais, a Gala-Gala Edições expressou a sua gratidão a todos os participantes e parabenizando os 10 autores selecionados, cujos contos se destacaram entre os demais.

A editora, deixou como promessa que em breve, dará mais detalhes sobre o livro, incluindo a data de lançamento e informações relevantes para os interessados.

Confira abaixo os autores e contos selecionados que irão compor a antologia de contos eróticos:

  1. Angelina Neves, “Espantosamente delicioso!”
  2. António DM, “Logo agora que eu queria ir para casa”
  3. Benjamim João Luís, “A minha chefe enlouquece-me”
  4. Daúde Amade, “O recanto dos prazeres”
  5. Idrice Atibo Atumane, “Uma amizade”
  6. Joanna Mawai, “Eu só queria experimentar”
  7. Mário de Rosas, “O feitiço da minha mulher”
  8. Octaviano Joba, “Entre Sarta Lesse e o amor do submundo”
  9. Paula Cristina, “Amar mulher de 50, é amar 50 mulheres de uma vez só”
  10. Zanete André Nhangal, “Penso, logo sinto-te dentro de mim”
Continuar a ler

Opinião

King da Música Moçambicana actualmente é Bow

Publicado

aos

Por

Mr Bow

Ora Vejamos, como é medido o sucesso para se aferir quem está a bater:

  • Número de seguidores nas redes sociais
  • Músicas de sucesso
  • Cachê (Quem é melhor bem pago na actualidade)
  • Endorsement (Quem tem melhores e maiores contratos)
  • Agenda (Quem tem melhor e maior agenda)
  • Audiência (Quem tem melhor audiência)

Então pega 3 Artistas, preencha acima e verá que actualmente é Mr. Bow. antes não era ele, mas agora é ele, futuramente haverá outros. mas actualmente é ele.

Já foi MC Roger
Já foi Ziqo
Já foi Stewart Sukuma mas actualmente é Bow.

Há quem diz que Bow canta em Changana por isso é só conhecido no Sul, uma clara demostração de tribalismo, eu amo e conheci Eyuphuro mas não falo Emacua. Bow do no Facebook tem 2.000.000 de Seguidores de todo País e não só a cantar em Changana.

Fingers tem 624.000 Seguidores a cantar em português. isso não vos fiz nada? não basta usar Fingers para negar que quem controla o mercado agora é Bow é necessário dar a Fingers a coroa , lhe seguir nas redes sociais, contratar ele mais que contratam Bow, pagar ele mais do que se paga ao Bow, dar melhores contratos de empresas que Bow, Bow representou mais de 11 empresas. isso não vos diz nada?

Por: Altino Mandlaze

Continuar a ler

Opinião

Há muita poeira nas premiações da Media Club: Falta de transparência 

Publicado

aos

Recentemente, a Media Club realizou uma gala de premiação com o intuito de reconhecer os órgãos de informação e as pessoas que têm feito a diferença no meio da comunicação de massas em Moçambique. 

A princípio, tal iniciativa deveria ser aplaudida, pois celebrar os esforços e conquistas dos profissionais da mídia é essencial para o fortalecimento do sector. No entanto, a edição deste ano levantou um debate fervoroso sobre a transparência e a imparcialidade do processo de atribuição dos prêmios.

Um dos pontos mais criticados foi a aparente falta de envolvimento do público na escolha dos vencedores. À primeira vista, parece que tudo é decidido por um grupo restrito de pessoas, possivelmente com intenções pessoais, sem considerar a opinião do público que é, em última análise, o maior beneficiário e crítico do trabalho. 

Em qualquer premiação, especialmente aquelas que buscam reconhecer esforços em um campo tão dinâmico e vital como a comunicação social, a participação do público é crucial. Eles são os consumidores finais das notícias e das informações, e suas opiniões deveriam ter um peso significativo na escolha dos premiados.

Além disso, a distribuição dos prêmios levantou suspeitas e críticas. A maioria das honrarias foi atribuída a empresas públicas como a Rádio Moçambique (RM) e a Televisão de Moçambique (TVM), com alguns poucos prêmios indo para o setor privado. Isso gerou desconfiança sobre a imparcialidade do processo, levando alguns a questionarem se esses prêmios não são, de fato, uma forma de reforçar e legitimar o domínio das empresas estatais sobre o panorama midiático nacional. A diversidade e a pluralidade são fundamentais em qualquer ecossistema de mídia saudável, e uma premiação que não reflete isso corre o risco de ser vista como tendenciosa.

Nisso, também foram esquecidas outras fontes de informação que fazem parte da mídia, como é o caso dos sites, onde nenhum foi nomeado, algo por rever-se nas próximas oportunidades.

Outro aspecto problemático é a falta de clareza sobre as categorias dos prêmios e os critérios utilizados para a seleção dos vencedores. A transparência nesse sentido é vital para assegurar a credibilidade do processo. Sem informações claras sobre como as categorias são definidas e quais são os objetivos finais da premiação, é difícil para o público e para os profissionais do setor avaliar a justiça e a validade dos resultados. A opacidade só serve para alimentar rumores e teorias da conspiração, minando a confiança na Mídia Club e na premiação em si.

Portanto, é essencial que a Media Club tome medidas para aumentar a transparência e a participação do público em futuras edições de sua gala de premiação. Isso pode incluir a implementação de votações públicas, a divulgação detalhada dos critérios de seleção e a formação de um painel de jurados diversificado e representativo. Somente assim será possível restaurar a confiança na integridade do processo e garantir que os prêmios realmente reflitam as contribuições mais significativas e impactantes para a comunicação de massas em Moçambique.

Em suma, enquanto a intenção de celebrar e reconhecer os profissionais da mídia é louvável, a execução desta ideia precisa ser revisada e aprimorada para garantir que seja justa, transparente e verdadeiramente representativa. Somente assim a gala de premiação da Mídia Club poderá ganhar o respeito e a credibilidade que busca, tornando-se uma celebração genuína das conquistas no setor de comunicação em Moçambique.

Continuar a ler

Opinião

Pode um fotógrafo comer em eventos onde é chamado para prestar serviços?

Publicado

aos

Por

Sim, um fotógrafo pode comer em eventos onde foi contratado para prestar serviços, mas isso geralmente depende das condições acordadas com o organizador do evento ou do contratante. Aqui estão algumas considerações e práticas comuns:

1. Contracto e acordos antecipados:

– É importante que o fotógrafo discuta antecipadamente com o cliente se a alimentação será fornecida durante o evento. Isso pode ser incluído no contrato para garantir clareza e evitar mal-entendidos.

2. Horários e pausas:

– Eventos longos geralmente têm pausas naturais onde o fotógrafo pode comer, especialmente durante momentos menos críticos para a fotografia, como durante refeições dos convidados.

3. Área designada:

– Em muitos eventos, especialmente casamentos e grandes festas, é comum reservar uma área específica onde os fornecedores (fotógrafos, músicos, etc.) possam fazer suas refeições.

4. Etiqueta e profissionalismo:

– Mesmo que a comida seja oferecida, é importante que o fotógrafo mantenha um comportamento profissional, garantindo que não perca momentos importantes do evento enquanto come. Planejar pausas estratégicas é essencial.

5. Expectativas culturais e pessoais:

– Em alguns casos, pode haver expectativas culturais ou específicas do cliente quanto à participação do fotógrafo nas refeições. Conhecer essas expectativas pode ajudar a evitar situações desconfortáveis.

Em resumo, é aceitável que um fotógrafo coma durante um evento, desde que isso seja discutido e acordado com antecedência e feito de maneira profissional, sem comprometer o serviço prestado.

Opinião de Carlos Uqueio, repórter e monitor em fotografia jornalística e documental.

Continuar a ler