Connect with us

Cultura

AZGO 2024, uma festa inesquecível

Publicado

aos

Festival AZGO

Foram dois dias intensos e de confirmação da pujança ou relevância do Festival AZGO como uma marca que já conquistou o coração de Moçambique e dos moçambicanos.

Volvidos dez anos de uma intensa jornada de produção, gestão e consolidação de uma marca que orgulha Moçambique, a direção do AZGO lançou-se a um desafio que vai redefinir as lógicas e métodos de funcionamento do festival ao longo dos próximos bons anos.

“O AZGO deu certo”, o que podemos ouvir e ler em todo lado muito a propósito do sucesso da 11ª edição do festival. Cumbeza vestiu-se de gala e transformou-se numa verdadeira catedral das artes dramáticas, numa fusão da moda, gastronomia, artes visuais e música como espinha dorsal.

As performances ao vivo de artistas nacionais e estrangeiros coloriram as duas noites da 11ª edição do AZGO. Hot Blaze e Twenty Fingers provaram o poder das suas músicas. Durante toda a actuação, o público cantou por completo as obras dos dois artistas.

Hot Blaze no Festival Azgo

Não há dúvidas que estas podem ter sido das melhores apresentações do AZGO 2024. Mas não ficam de fora outros moçambicanos de qualidade elevada, a destacar: Wazimbo, os irmãos Nelson e Tânia Chongo, Humberto Luís, Granmah, entre outros que carregaram a essência de Moçambique e da moçambicanidade nos palcos Fany Mpfumo e Zena Bacar.

Aos internacionais, aplausos caracterizam a presença de celebridades como; Something Soweto, Lisandro Cuxi, Boloja entre muitos outros que ofereceram aos festivaleiros a alma e o sentido da sua arte.

Sobre as outras actividades do festival, realçamos o AZGO Bazar, uma feira de diversos produtos e marcas orgulhosamente moçambicanas. Os criativos estiveram a expor e vender as obras e ou serviços num evento que se mostra cada vez mais aberto às outras disciplinas para além da música.

Mais uma vez o prémio de melhor traje africano foi evidenciado nesta edição do AZGO, que visa estimular o orgulho pela expressão do continente através da moda.

Viva África

Este ano o AZGO mudou-se para uma nova casa, mas manteve o orgulho de ser um festival africanos e por isso o lema foi, uma vez mais, “Afrofuturismo”. E o segundo dia da 11ª do AZGO coincidiu com o 25 de Maio, Dia de África.

A identidade visual do festival, assinada pelo virtuoso artista visual Hugo Mendes por PsiconautaH, celebra esse sentido de africanidade, com traços e influências que oferecem uma abordagem leal às origens, trazendo propostas e profecias sobre o futuro do continente.

Pela primeira vez o AZGO teve um espaço para acampamento instalado no Espaço Cultural e Multidisciplinar de Cumbeza. Denominado AZGO Camping, o espaço proporcionou uma experiência mais intensa aos festivaleiros que durante dois dias viveram mais de perto toda a magia do festival.

Continuar a ler

Cultura

Mia Couto vence Grande Prémio de Conto Branquinho da Fonseca

Publicado

aos

Por

O escritor moçambicano Mia Couto foi distinguido por unanimidade com o Grande Prémio de Conto Branquinho da Fonseca da Associação Portuguesa de Escritores (APE) pelo livro «Compêndio para desenterrar nuvens», publicado em 2023. O anúncio foi feito esta terça-feira pela Associação Portuguesa de Escritores.

O livro «Compêndio para desenterrar nuvens» é constituída por 22 histórias que abordam vidas um povo resiliente, um olhar a um país através das suas gentes mais humildes, mas que fazem do seu dia-a-dia constantes momentos de superação. A guerra, a fome, as desigualdades e ainda a realidade das mulheres nesse contexto.

Um livro cuja linha que coze as estórias procura “devolver a dignidade a quem não espera ajuda, a quem não precisa de ser salvo, porque salva-se a si próprio, todos os dias”, nas palavras de Mia Couto.

O júri, constituído por Fernando Batista, Mário Avelar e Paula Mendes Coelho, destacou, sobre a obra, a forma como Mia Couto, “misturando sabiamente o código realista e o código imaginário sem nunca esquecer o registo lírico, continua a denunciar as injustiças de onde quer que elas venham, sem deixar de nos alertar, ainda que em tom geralmente irónico, para novas submissões, novas ameaças bem perniciosas”. 

A obra é distinguida em Portugal onde foi editada pela Caminho. Em Moçambique o livro foi publicado pela Fundação Fernando Leite Couto.

O Grande Prémio de Conto Branquinho da Fonseca, instituído em 2023 pela Associação Portuguesa de Escritores, e patrocinado pela Câmara Municipal de Cascais e Fundação D. Luís I, destina-se a galardoar anualmente uma obra de contos em português.

Continuar a ler

Cultura

Fredy Uamusse homenageia Malangatana 

Publicado

aos

O retratista moçambicano Fredy Uamusse prestou homenagem ao icônico pintor plástico Malangatana, falecido em 2011. Em um tributo, Fredy utilizou sua técnica distintiva de desenhar com carvão no chão, uma forma de arte que ele tem popularizado e que ganhou destaque entre outros artistas contemporâneos.

A obra não só celebra o legado de Malangatana, mas também ressalta a habilidade e a inovação de Fredy na utilização de carvão, conferindo uma nova dimensão à arte moçambicana.

Fredy Uamusse é um jovem artista moçambicano, que conquistou reconhecimento no mundo artístico com seu domínio do lápis e papel, eternizando figuras importantes da área cultural, entretenimento, pátria e até algumas que marcaram Moçambique por conta dos seus feitos motivacionais.

Sua paixão pelo desenho, confundi-se com a estória da sua vida, ou até com seu DNA.

Continuar a ler

Cultura

Moçambicanos conquistam primeira posição com pintura automotiva na África do Sul

Publicado

aos

Por

Alberto Correia Brown

Alberto Correia, Paulo Jorge, Luwi Stance, Scuarapo e Guezani, inspirados por Malangatana, pintaram um carro que foi merecedor do primeiro lugar no concurso Hotride German X Japan, organizado pela Southside Crew em Johanesburgo, África do Sul.

O destaque do grupo foi a pintura de um automóvel, realizada em apenas 24 horas. Alberto Correia, segundo escreve o jornal O País, sempre teve o desejo de pintar um carro, mas faltava encontrar alguém com coragem para ceder o veículo. 

“Assim como o músico Gilson Jamal propôs pintar um saxofone, eu esperava que alguém viesse com a mesma coragem para pintar um carro. Embora este não seja o primeiro carro personalizado em Moçambique, como já fez Malangatana, queríamos mostrar que é possível transmitir energias e sensações através de automóveis”, disse Correia.

O projeto foi desafiador devido ao tempo limitado, mas também inspirador, segundo Correia. “Gazane, o dono do carro, me convidou para me juntar à equipe do Tunning Vibes, para criarmos algo nunca visto antes em competições desse tipo. Trabalhamos por 24 horas seguidas para alcançar um resultado fantástico.”

Após a conclusão, o carro foi levado à África do Sul para uma exposição de carros modificados e artisticamente preparados. “Nos destacamos e ganhamos o primeiro lugar por trazer uma ideia super inovadora e diferente, sendo o único carro pintado à mão no concurso”, contou Correia.

Continuar a ler