Avançar para o conteúdo

Mia Couto, um homem de várias histórias

Antônio Emílio Leite Couto ou Mia Couto, nasceu em 5 de Julho de 1955, na Beira, cidade moçambicana. Com os seus 14 anos, publicou seus primeiros textos literários no Jornal Notícias da Beira, iniciando desta forma o processo de escrita literária por meio da poesia. Em 1972, ingressou na Faculdade de Medicina em Maputo, onde estudou por dois anos. Assim, em 1974, abandonou o curso para trabalhar como jornalista.

O escritor foi director da Agência de Informação de Moçambique, em 1976, além de trabalhar na revista Tempo, de 1979 a 1981, e no jornal Notícias, de 1981 a 1985. Seu primeiro livro de poesias Raiz de orvalho foi publicado em 1983. Mia, deixou o jornalismo, em 1985, para fazer Faculdade de Biologia e trabalhar como professor de Ecologia na Universidade Eduardo Mondlane.

Mia Couto recebeu o título de honoris Causa no Brasil

Em 1992, publicou o seu primeiro romance Terra sonâmbula, eleito como um dos melhores livros africanos do século XX durante a Feira do Livro de Zimbabwe. Além disso, em 1996, foi um dos fundadores da Impacto, empresa de consultoria ambiental. E, em 1998, ele se tornou o segundo escritor africano a ser eleito para a Academia Brasileira de Letras, como sócio correspondente. O primeiro foi o senegalês Léopold Sédar Senghor (1906-2001), eleito em 1966. Terra sonâmbula é o seu primeiro livro, que foi publicado, em 1992, com grande sucesso de público e crítica. Actualmente, Mia Couto conta com mais de 20 obras publicadas entre contos, crónicas e romances, caracterizadas, principalmente, pelo resgate da tradição cultural moçambicana por meio de uma linguagem marcada por neologismos.

PRÉMIOS

  • Prêmio Anual de Jornalismo Areosa Pena (1989)
  • Vergílio Ferreira (1990)
  • Prêmio Nacional de Ficção da Associação de Escritores Moçambicanos (1995)
  • Mário António (2001)
  • União Latina de Literaturas Românicas (2007)
  • Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura (2007)
  • Eduardo Lourenço (2011)
  • Camões (2013)
  • Prémio Internacional de Literatura Neustadt (2014)
  • Prémio literário Jan Michalski (2020)
  • Prémio Literário Manuel de Boaventura (2021)
  • José Craveirinha (2022)

OBRAS PUBLICADAS

Raiz de orvalho (1983)

Raiz de orvalho e outros poemas (1999)

Idades, cidades, divindades (2007)

Tradutor de chuvas (2011)

Vozes anoitecidas (1987)

Cada homem é uma raça (1990)

Estórias abensonhadas (1994)

Contos do nascer da Terra (1997)

Na berma de nenhuma estrada (1999)

O fio das missangas (2003)

Cronicando (1991)

O país do queixa andar (2003)

Pensatempos. Textos de opinião (2005)

Pensageiro frequente (2010)

Terra sonâmbula (1992)

A varanda do frangipani (1996)

Vinte e zinco (1999)

Mar me quer (2000)

O último voo do flamingo (2000)

Um rio chamado Tempo, uma casa chamada Terra (2002)

O outro pé da sereia (2006)

Venenos de Deus, remédios do diabo (2008)

Jesusalém (2009)

A confissão da leoa (2012)

Vagas e lumes (2014)

Mulheres de cinzas (2015)

A espada e a azagaia (2016)

O bebedor de horizontes (2017)

O gato e o escuro (2001)

A chuva pasmada (2004)

O beijo da palavrinha (2006)

O menino no sapatinho (2013)

O Mapeador de Ausências (2020)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.