Connect with us

Fast Food

Ghorwane e a Representação Moçambicana no Festival Músicas do Mundo

Publicado

aos

Nos dias 22 a 29 de julho, nas localidades de Sines e Porto Covo, no distrito de Setúbal, Portugal, serão palco da 23.ª edição do Festival Músicas do Mundo (FMM). Neste evento organizado pela Câmara Municipal de Sines, artistas dos quatro cantos do mundo se reunirão em 41 concertos para encantar os presentes.

Segundo o jornal Notícias, Moçambique estará representado pela lendária banda Ghorwane, que levará a riqueza da música moçambicana ao público internacional. Além disso, a Guiné-Bissau terá sua maior delegação na história do FMM, com a presença confirmada de Tabanka Djaz, Eneida Marta e Super Mama Djombo. Outros grupos icônicos de países africanos que falam português, como Os Tubarões de Cabo Verde e África Negra de São Tomé e Príncipe, também estarão presentes no festival.

A delegação africana não se resume apenas aos países de língua portuguesa. Ela contará com a presença dos talentosos franco-marroquinos Bab L’Bluz e da banda tuaregue Tinariwen, do senegalês Lass, dos ganeses Alotge Oho&His Sounds of Joy, do grupo congolês Kin’Gongolo Kiniata e da Madalitso Band, representando o Malawi pela primeira vez no festival. Além disso, uma das maiores artistas do continente africano, a nigeriana Nneka, abrilhantará o evento em Sines, assim como a cantora Rokia Koné e sua banda, que virão diretamente do Mali.

Vale ressaltar que, de 22 a 24 de julho, o Festival Músicas do Mundo estará sediado na pitoresca aldeia de Porto Covo, proporcionando uma atmosfera única aos espectadores. A partir do dia 25, o festival se deslocará para a cidade de Sines, onde permanecerá até o dia 29, encantando a todos com a diversidade e a magia da música mundial.

Assim, Moçambique se orgulha de ter a banda Ghorwane como sua representante nesse evento internacional de prestígio, promovendo a cultura moçambicana e enriquecendo o cenário musical global com sua arte única. Que o Festival Músicas do Mundo seja palco de momentos memoráveis e celebrações da música que conecta povos e culturas

Continuar a ler

Fast Food

Sobre o apelido FIPAG Dygo diz que…

Publicado

aos

O rapper moçambicano Dygo Boy, recentemente esteve no Moz Pod, um podcast apresentado por Chairman, onde partilhou com o público a sua experiência sobre o Show Bizz em Moçambique.

Segundo disse o rapper, sobre o facto de ser apelidado de FIPAG, uma forma de o chamarem de falhado na música ou metedor de água nos beats, este conta que isso não o ofende.

O rapper deixou claro que vê isso, como uma forma de treino, igualando-se a Cristiano Ronaldo, que é o primeiro a chegar e o último a sair dos treinos, como forma de sempre trazer o melhor de si, apesar das críticas.

Dygo, acredita que as críticas podem vir de formas arrogantes ou sem respeito, mas no final do dia, colhe o que é melhor para si e tenta melhorar.

Continuar a ler

Fast Food

Lenna Bahule “burlada” por uma tv nacional

Publicado

aos

Por

Lenna Bahule “burlada” por uma tv nacional

A cantora moçambicana Lenna Bahule, revelou no dia de hoje, uma suposta burla por parte de uma televisão famosa moçambicana onde foi júri de um concurso de talentos.

Segundo escreveu a cantora ironicamente, já se passa 1 ano desde que a produção do programa diz que “fará o pagamento na próxima semana”

Continuar a ler

Fast Food

Hot Blaze: Kamané foi o elemento fundamental para a minha carreira e do Jay Arghh

Publicado

aos

Hot Blaze: Kamané foi o elemento fundamental para a minha carreira e do Jay Arghh

O músico moçambicano, Hot Blaze, recentemente compartilhou revelações sobre os fundamentos de sua carreira no podcast “Falacast”, apresentado por Maira Santos. Neste episódio, Hot Blaze discutiu a origem de seu grupo, suas motivações e o caminho para o sucesso, bem como destacou a influência crucial de Kamané em suas trajectórias artísticas. Para melhor explicar a influência de Kamané, Hot, começou por falar de Jay Arghh

“Jay Arghh foi meu professor, comecei a cantar por causa dele”,

Hot Blaze

Segundo conta o artista, na altura, Jay tocava uma viola e começaram a cantar, se espelhando em músicas românticas brasileiras, assim como inspirados pelo moçambicano Nelson Nhachungue e o angolano Anselmo Ralph.

O início da amizade foi um tanto peculiar, tendo sido desencadeado por um interesse comum por uma rapariga. Inicialmente, planearam resolver suas diferenças através de uma luta, mas, por razões desconhecidas, essa luta nunca aconteceu.

Em vez disso, uniram forças e começaram suas jornadas artísticas como dançarinos de break dance, colaborando com o grupo musical de Kico, irmão de Jay Argh, conhecido como Elex e afiliado à Track Records.

À medida que passaram mais tempo juntos no estúdio, desenvolveram um amor não apenas pela dança, mas também pelo rap, e começaram a criar suas próprias composições, embora inicialmente as mantivessem em segredo.

O Nascimento da “New Joint”

Com o passar do tempo, suas vidas seguiram caminhos diferentes, com Jay mudando de localização, deixando Hot Blaze sozinho no bairro da Coop, na cidade de Maputo. Com isso Hot, por outro lado, fez novas amizades interessadas em música e fundou o grupo New Joint, e por reconhecer o talento de Jay, convenceu o grupo a recebê-lo, dando início às primeiras gravações na gravadora “Solo Records”.

A Entrada de Kamané

Jay Arghh, Kamané, Hot  Blaze e DJ Low Low

Hot Blaze descreve Kamané como alguém que não tem medo de se destacar e fazer a diferença. Os três se cruzaram em um momento peculiar durante campeonatos de futebol que depois tinham um momento musical, realizados no bairro da Coop, na cidade de Maputo. Kamané testemunhou uma apresentação deles e, alguns dias depois, procurou Jay e os convidou para uma colaboração artística. A chegada de Kamané trouxe uma nova perspectiva para o mundo artístico dos três, desempenhando um papel fundamental em seu desenvolvimento artístico.

A primeira música profissional do grupo contou com a participação de K9, que aceitou o convite principalmente por causa de sua familiaridade com Kamané. O videoclipe da música só se tornou realidade devido à persistência e dedicação de Kamané, que buscou patrocinadores, contribuindo significativamente para o financiamento do projeto. Essa música foi um grande sucesso, mas, com o tempo, as ambições individuais de Hot Blaze o levaram a se afastar do grupo.

Continuar a ler